A Emoção em Stonehenge

Hoje, para mim, foi o melhor dia de toda a viagem.

Desde quando decidimos vir para a Europa eu já sabia que a visita ao Stonehenge seria emocionante, mas eu não imaginava o quanto!

Começando do começo, saímos cedo do hotel para pegar nosso carro alugado, há algumas quadras daqui. As boas do dia começaram já nessa hora, pois tínhamos reservado um Golf 1.4 e pegamos um Astra 1.6, quase 0km, até cheirando novo! Carro sensacional, tanto no exterior quanto no interior.

Os primeiros testes do Marcos na direção invertida da Inglaterra foram em grande estilo, hehehe. Essa parte ele vai contar melhor depois, mas para resumir, tudo correu muito bem e melhor do que a gente esperava. O Marcos foi um ótimo motorista :)

Usamos 2 navegadores (o Tom-tom e o Navv) para chegar primeiro ao Castelo de Windsor. Para variar demos uma sorte danada, pois chegamos lá às 5 para 11hs e a troca de guarda seria às 11hs! Foi muito bonito, cheio de ritual e tradição, com banda, soldados marchando de chapéus peludos e etc.

Entramos no castelo com a intenção de vê-lo meio rapidamente, pois chegamos tarde. Apesar de bem caro (19 libras, se não me engano), valeu a pena. O castelo é mesmo muito bonito e está ‘ativo’, o que o torna ainda mais interessante.

O tempo é que estava totalmente louco. Saímos de Londres sob uma garoa fina. Em Windsor choveu, fez sol, chuviscou, fez chuva e sol junto. Tudo em prazos pequenos. Algumas vezes, era a conta de abrir o guarda-chuva e parava de chover. O que não deu trégua foi o vento, que estava cortando até a alma. O Marcos que é o Marcos passou muito frio, tadinho…

Bom, saindo do castelo, demos uma voltinha na cidade até chegarmos ao estacionamento onde deixamos o carro. A cidade é uma gracinha, super charmosa e aconchegante. Pena não podermos aproveitá-la mais.

Almoçamos rapidinho e saímos em direção ao tão esperado Stonehenge. Eu estava super ansiosa! Nunca fiquei tão ansiosa para conhecer um lugar!

A estrada é linda, cheia de verde e lugares que parecem encantados. Eu ficava pensando nas civilizações antigas que passaram por toda essa região e me dava até arrepios! A idéia de ver o Stonehenge assim, perto de uma estrada qualquer, é meio estranha, não sei dizer.

Enfim, continuamos nosso caminho e eu fui imaginando que para avistá-lo precisaríamos entrar em alguma estradinha pequena que levasse até ele e somente até ele. De repente, do nada, na nossa frente, aquele círculo de pedras apareceu! Na estrada, assim, do nada! Quase tive um treco! Gritei, gritei e gritei e o Marcos também achou incrível. Foi uma sensação absurda!

Imagina assim: você está andando em uma estrada qualquer, que leva para várias cidades e de repente você vê um monumento de milhares de anos atrás… misterioso, solitário, imponente, cheio de segredos não revelados. Cheio de histórias, energias. E tudo assim, tão perto, tão vivo e ao mesmo tempo intocável, impenetrável.

Gente, foi uma sensação deliciosa, um momento mágico do qual eu nunca vou me esquecer. Eu queria pular a cerquinha que o protege e ir lá tocar nas pedras, deitar no meio, hehehe… Ainda venho aqui passar um solstício de verão para celebrar os ciclos da Natureza de dentro desse círculo ancestral. Ah se venho!

Bom, ficamos lá encarando e sendo encarados pelas pedras por um bom tempo. Tiramos várias fotos, ouvimos o audio-guide, tomamos as rajadas de vento e a chuva que chegou no final. Passamos muito frio, como quase todos que visitam o Stonehenge e saímos de lá com a sensação de que somos privilegiados por termos conhecido uma das maravilhas do mundo, um dos presentes dos Deuses.

No caminho de volta ainda passamos para visitar a cidade Bath, que tem um terma romano preservado. Infelizmente chegamos tarde e o terma já estava fechado. Ainda assim aproveitamos nossa passagem na cidade para tirar fotos, conhecer as ruas romanas e tomar um café antes de voltar para Londres. Valeu a pena de qualquer jeito.

O problema é que me apaixonei pela Inglaterra. Eu achava que só o Stonehenge seria interessante, mas que país bonito! Muito verde, muita natureza e muita magia! Vi diversos símbolos pagãos espalhados, o que mostra que apesar de escondidas, as raízes ancestrais continuam muito presentes aqui. Dá até para sentir.

Ainda volto para passar um tempo maior e conhecer tantos outros lugares por aqui, que não tive oportunidade dessa vez, principalmente Avebury e Old Sarum. Me aguardem! :)

Valeu pessoal!
Estou muito feliz hoje!


Comentários

Comentários

4 thoughts on “A Emoção em Stonehenge

  1. Caroline Mosimann Souza

    - Edit

    Reply

    Jana!

    Estou encantada com suas fotos! Lindíssimas!
    Poxa, como você descreve bem suas experiências! Lendo isso, me senti na Inglaterra!:)
    Continue aproveitando!

    Beijos!

    1. Obrigada Carol! Fico feliz de saber que consigo passar um pouquinho do que estou vivendo aqui!
      E valeu tbem pelo elogio em relação às fotos. Os lugares ajudam muito! :)

      Beijão!

  2. Viu Janaa!!! Você é ótima para contar histórias.. hehehe
    Você tirou fotos dos soldados parados?
    Acho tão legal eles ficarem “duros”..

    Todas as fotos estão lindas, em especial a que o Marcos tirou, muito linha mesmo!

    PS. VOLTEM LOGO!!

  3. Pingback: Stonehenge ainda mais mágico | Link Me Link

Add Comment